Maggots Motherfuckers ↓

Translate/Tradutor

Visualizações do blog:

15 de jan de 2012

Joey fala sobre o processo de criação das músicas

A algum tempo atrás, questão de alguns meses, a Revolver Magazine lançou uma edição especial chamada 'Book of Slipknot', que conta toda a história da banda com entrevistas, galeria de fotos e um espaço especial para Paul Gray. O site da revista comemorou o lançamento com o 'Mês do Slipknot' onde eles liberam material sobre a banda no site durante o mês de outubro.

Dessa vez, o material liberado foi um pedaço de uma entrevista com Joey Jordison, onde ele fala sobre o processo de criação e gravação das músicas:

"Se você prestar atenção nas nossas coisas, cada álbum é diferente. O primeiro foi aquilo, o Iowa ficou mais obscuro e pesado. O Vol. 3 ainda é pesado mas a gente começou a colocar umas coisas mais estranhas tipo ‘Prelude 3.0', ‘Circle’ e ‘The Virus of Life’ o que começou a expandir nosso som. E depois veio o ‘All Hope Is Gone’ e você ouve a música-título do álbum e não tem nada além de baixo duplo e riffs super pesados, e aí você tem ‘Snuff’. E tem ‘Gematria’ que é uma das melhores músicas do Slipknot que a gente já tocou. Uma história engraçada sobre essa música é que Paul e os guitarristas estavam no ensaio tocando ‘All Hope is Gone’ algumas vezes que é uma das minhas favoritas, e aí tocamos Gematria e eu disse que provavelmente tocaríamos essa quando tivesse uma turnê, mas eles discutiam muito sobre os riffs porque são muito técnicos então eu disse ‘Tá bom, vamos esperar até que vocês consigam decidir isso."

"A criação das músicas começa com uns pedaços de bateria e guitarras. Aí gravamos uma demo: eu faço a bateria, colocamos as guitarras, depois o baixo e isso fica sendo a base da música. Corey escreve as letras ou eu e Shawn temos letras as vezes também, aí colocamos. Depois começamos com as percussões, que vem depois, e nós, os três bateristas trabalhamos em um triângulo nisso colocando as coisas nos lugares certos. Aí vem o Sid com as suas esquisitices e você nunca sabe o que ele vai fazer – ele é um alien. E o Craig – que nós chamamos de ‘Serial Killer’, ele não fala – ele coloca os últimos detalhes, os barulhos e tudo o que precisamos pra deixar a música mais perturbadora. É assim que funciona"

Achei interessante e bacana pra caralho o Joey dividir essa informação interna da banda, de como cria-se e grava-se as músicas, com os Maggots, fantástica a atitude do cara! Vendo o processo de criação, dá pra se perceber que é como se fosse uma escadinha, que começa por baixo, que é o mais importante e vai subindo, até a parte mais detalhada de cada música, como os samplers e efeitos do Sid. Muito bacana!
E só para constar, esa informação foi divulgada a algum tempo na internet, porém como eu ainda não havia postado-a aqui, postei agora, apesar de todo o atraso, certo? Qualquer coisa comentem, stay!

2 comentários:

  1. Será que eles já decidiram sobre o caso "Gematria"? x.x Sid um Alien, bem é isso que ele deixa aparentar na máscara dele

    ResponderExcluir
  2. Não sabemos ainda, ninguém sabe... mas ao vermos 'Gematria' sendo tocada em algum show, teremos a resposta. Sid É um alien, com certeza. Quem é o Predador? KKKKKKKKKKKK

    ResponderExcluir

Digite o seu comentário sobre a postagem acima e em seguida clique em "Publicar". #Palavrões são liberados.